6/recent/ticker-posts

Fazenda começa revisar tabela de isenção do Imposto de Renda


 De acordo com a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco Nacional), sem a revisão, quem ganha mais de dois salários voltará a ser tributado, uma vez que a faixa de isenção não teve reajuste e permanece na tabela em R$ 2.112.

Por Redação, com ACS - de Brasília


Ministro da Fazenda, o economista Fernando Haddad indicou, nesta terça-feira, que está em estudo a revisão da tabela de isenção de Imposto de Renda para quem ganha até dois salários mínimos. O anúncio deve ser feito até o fim deste mês. A nova tabela tende a se adequar ao novo valor do salário mínimo, que passou de R$ 1.320 para R$ 1.412.

Até o fim do mês a gente vai ter essa conta. Esse mês ainda a gente vai ter a conta — comentou o ministro ao chegar ao ministério, onde falou com  jornalistas.


Mais cedo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva também comentou o assunto, na rede social X. Lula disse que vai cumprir a promessa de governo de garantir a isenção para o trabalhador que ganha até dois salários mínimos.

 As pessoas que ganham até 2 salários mínimos não vão pagar Imposto de Renda. Nós vamos fazer o que prometemos — escreveu.


 

Reoneração

De acordo com a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco Nacional), sem a revisão, quem ganha mais de dois salários voltará a ser tributado, uma vez que a faixa de isenção não teve reajuste e permanece na tabela em R$ 2.112.


Houve, também, um desconto automático de R$ 528 no salário, o que deixou a faixa de isenção, na realidade, em R$ 2.640, o que era equivalente a dois mínimos no ano passado.


Haddad, no entanto, desconversou sobre o fechamento de um acordo com o Congresso para revogar a Medida Provisória (MP) que reonera a folha de pagamentos de alguns setores da economia. Editada no fim do ano passado, a medida traz a reoneração gradual de 17 setores beneficiados com descontos na na contribuição para a Previdência Social.

Postar um comentário

0 Comentários